Edições de 2018 foram apresentadas na Biblioteca da Imprensa Nacional
Edições de 2018 foram apresentadas na Biblioteca da Imprensa Nacional

Apresentação do plano editorial para 2018

1 de fevereiro de 2018

O plano editorial para 2018 foi ontem apresentado na Biblioteca da Imprensa Nacional, onde o presidente do Conselho de Administração da INCM, Gonçalo Caseiro, realçou o papel da empresa enquanto «editora de salvaguarda nacional».

No ano em que a Imprensa Nacional cumpre 250 anos de existência, a par das celebrações, está prevista a edição de um livro sobre a sua história, que tratará os dois séculos e meio de atividade desde a sua fundação, a 24 de dezembro de 1768, com o nome de Impressão Régia.

Outro importante projeto editorial será a publicação das Obras Completas de Mário Soares, com os dois primeiros volumes a sair este ano. Em breve será anunciada a composição da Comissão Editorial, dirigida por José Manuel dos Santos.

Destaque também para a Biblioteca José-Augusto França, uma seleção de obras, a cargo do próprio autor, a publicar em 16 volumes, onde estará representada a sua obra ensaística e a ficção. Nesta coleção será editado o romance Natureza Morta, que incluirá Três Pequenos Contos de África, D. Júlia e O Retornado; Charles Chaplin, o 'Self-Made-Myth', incluindo Hitchcock Há 100 Anos; Amadeo de Souza-Cardoso, o 'Português à Força', que inclui Almada Negreiros, o 'Português sem Mestre', Vieira da Silva e Vieira da Silva para depois; e Lisboa Pombalina e o Iluminismo, que incluirá Lisboa Pombalina e A Estética do Iluminismo.

Continuando na História da Arte, será também publicada a monumental A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio, em edição revista, numa parceria entre a Imprensa Nacional e o Centro Mário Dionísio.

A obra de Vitorino Nemésio será também editada em 16 volumes, numa parceria com a editora açoriana Companhia das Ilhas e sob a coordenação do também açoriano Luiz Fagundes Duarte, e, na esfera do Teatro, será publicado o Teatro Completo de Natália Correia, incluindo alguns inéditos, com a coordenação de Armando Nascimento.

No ensaio, sairão dois volumes de crónicas da Biblioteca Eduardo Prado Coelho, editados por Margarida Lages. Na coleção Pessoana, série Ensaio, serão publicados dois estudos: um de Luiz Fagundes Duarte dedicado aos trabalhos de fixação textual da obra de Pessoa, Do Caos Redivivo. Ensaios de Crítica Textual sobre Fernando Pessoa; e outro sobre o heterónimo Ricardo Reis, de Nuno Amado.

Na poesia, depois das Poesias Eróticas de Bocage, em 2017, este ano será publicado Sonetos, Cantatas e Sátiras e Traduções e Elogios, fechando-se assim a publicação da obra completa do autor, pela mão do bocagiano Daniel Pires.

A poesia em língua portuguesa continua em destaque na refundada coleção Plural, inaugurada nos anos 90 por Vasco Graça Moura, onde está prevista a publicação de Retábulo das Matérias, de Pedro Tamen, Aula de Natação, de Alice Sant’Anna, Desdizer, de António Carlos Secchin, e Alexandrina, Como Era, de J. H. Santos Barros.

Prosseguem as edições críticas das obras de quatro clássicos portugueses - Fernando Pessoa, Camilo Castelo Branco, Almeida Garrett e Eça de Queirós - bem como dos clássicos gregos, nomeadamente, Comédias, de Aristófanes, e, de Aristóteles, a Ética a Eudemo, a Geração dos Animais e uma nova edição de Retórica.

A encerrar a apresentação do plano editorial, houve ainda tempo para ouvir, nas oficinas gráficas da Imprensa Nacional, a Sinfonia n. 41, KV 551, Júpiter, de W. A. Mozart, pela Orquestra Metropolitana de Lisboa.

Imagem maximizada

fechar [X]