• Foto 1 do produto Aristófanes - Comédias - Vol. II
    Foto 1 do produto Aristófanes - Comédias - Vol. II
    • Foto 2 do produto Aristófanes - Comédias - Vol. II
    Foto 2 do produto Aristófanes - Comédias - Vol. II
    • Foto 3 do produto Aristófanes - Comédias - Vol. II
    Foto 3 do produto Aristófanes - Comédias - Vol. II

Aristófanes - Comédias - Vol. II

Neste volume incluem-se, em função da cronologia da sua composição, quatro comédias que correspondem a diferentes momentos da produção de Aristófanes. Vespas (422 a. C.) e Paz (421 a. C.), como que encerram um período particularmente vocacionado para a sátira da governação e dos políticos, que tomou como alvo central Cléon, o demagogo mais destacado no momento. Com a sua morte, e com a negociação do período de paz que ela possibilitou, Aristófanes viu, por um tempo, esgotadas as suas principais fontes de inspiração.
Aves (414 a. C.) e Lisístrata (411 a. C.) distanciam-se das duas peças anteriores por um período de anos que trouxe a Atenas acontecimentos particularmente gravosos no processo de se impor como cabeça de um império helénico. Com o desfecho da campanha contra a Sicília (415-413 a. C.) — uma tremenda aventura de guerra, animada de grandes objectivos, sujeita a tremendos riscos e coroada com os piores resultados —, o poeta voltou-se para a expressão do desencanto dos cidadãos com a crise social que se instalou; com Aves retratou o exílio daqueles que se sentiam tentados à fuga… apenas para exportarem para outro universo, como verdadeiros atenienses, os defeitos da sua cidade; e com Lisístrata colocou, à frente da cidade, «as virtudes» femininas numa campanha persistente em nome de uma paz pan-helénica.

Observações: Introdução, tradução e notas de Maria de Fátima de Sousa e Silva e Carlos Martins de Jesus

Imagem maximizada

fechar [X]