Ferreira de Castro (1898-1974) foi um escritor português.

Aos 12 anos deixa Oliveira de Azeméis, concelho onde nasceu, e embarca sozinho para o Brasil.

Ali, testemunhou a exploração dos indígenas, dos pobres e dos emigrantes. De regresso a Portugal, instala-se em Lisboa, onde foi jornalista, fundando vários jornais e revistas e colaborando com outros tantas publicações.

Notabilizou-se com as obras como Emigrantes, de 1928, e principalmente com A Selva, de 1930 - que durante décadas foi um dos livros mais lidos e traduzidos da literatura portuguesa e, inclusive, adaptado posteriormente ao cinema.

Considerado o primeiro proletário das letras, Ferreira de Castro assinala o início de uma nova fase do realismo social em Portugal.

Ferreira de Castro, chegou mesmo a ver o seu nome proposto ao Nobel da Literatura, em 1951.

Hoje, continua a ser um dos autores portugueses com maior divulgação internacional, cuja obra constitui um importante testemunho social e que merece da parte de todos nós uma releitura atenta.

As suas obras:

Emigrantes (1928)
A selva (1930)
Eternidade (1933)
Terra fria (1934)
Pequenos Mundos (1937)
A Tempestade, (1940)
A Volta ao Mundo, (1944)
A lã e a Neve (1947)
A Curva da Estrada (1950)
A Missão (1954)
As Maravilhas Artísticas do Mundo (1963)
O Instinto Supremo (1968)