Prémio Imprensa Nacional/Eugénio Lisboa visa incentivar a criação literária moçambicana
Prémio Imprensa Nacional/Eugénio Lisboa visa incentivar a criação literária moçambicana

Sérgio Simão Raimundo vence a 3ª edição do Prémio Imprensa Nacional/Eugénio Lisboa

20 de dezembro de 2019

Sérgio Simão Raimundo (Maputo, 1992) é o vencedor da 3.ª edição do Prémio Literário Imprensa Nacional/Eugénio Lisboa, que contempla a edição da obra vencedora, além da atribuição de um valor pecuniário.

O júri constituído pelo poeta e editor moçambicano Mbate Pedro, na qualidade de Presidente, por Sara Jona e Paula Mendes deliberou atribuir o prémio de prosa literária IN/Eugénio Lisboa ao texto A Ilha dos Mulatos, da autoria de Sérgio Simão Raimundo, e duas menções honrosas a O homem que vivia fugindo de si, de Japone Matias Loudel Caetano Agostinho, e O amor que há em ti, de Néusia de Larsane Abílio Pelembe.

A atribuição do Prémio à obra A Ilha dos Mulatos, uma novela policial contemporânea, deve-se, de acordo com o júri, ao facto de o autor entrelaçar criatividade e originalidade, com a gestão da polifonia e de fluxos de consciência, numa narração que convoca à preservação da memória sobre a Ilha de Moçambique.

Concorreram à 3.ª edição do Prémio IN/Eugénio Lisboa um total de 12 textos.

Este importante prémio literário foi criado em 2017 pela Imprensa Nacional Casa da Moeda, dando corpo à sua missão de promoção e preservação da língua portuguesa e tendo em consideração a relevância de Eugénio Lisboa, enquanto cidadão e homem de cultura nascido em Moçambique, mas também como seu autor.

Este Prémio visa selecionar trabalhos inéditos de grande qualidade no domínio da prosa literária e, além de uma componente pecuniária, contempla a publicação das obras distinguidas em cada edição, incentivando desta forma a criação literária moçambicana.

Imagem maximizada

fechar [X]